A luz está apagada!

Fundos

FISC11

face Usuário
Informações Gerais Análise do Administrador Patrimônio do FII Cotações e Mercado Rendimentos Comunicados Comentários Comparativo

Informações Gerais

FISC11 Escritórios

SC 401 Square Corporate

DESCRIÇÃO GERAL DO FUNDO

Escritóriospossui gestão AtivaInvestidores em Geral

PATRIMÔNIO LÍQUIDO
R$ 203,2Mi
VALOR DE MERCADO
R$ 127,8Mi
P/VP
0,63
POSIÇÃO NO IFIX
Não Participa do IFIX
PARTICIPAÇÃO NO IFIX
DATA DE INÍCIO
25/Out/2010
PRAZO
Indeterminado
QT DE COTISTAS
68
QT DE COTAS
127.800
ÁREA BRUTA LOCÁVEL 24.169 M² VACÂNCIA 39,1 % INADIMPLÊNCIA 4,2 % QUANTIDADE DE IMÓVEIS POR UF QT DE COTISTAS 68 QT DE COTAS 127.800 PÚBLICO ALVO Investidores em Geral ADMINISTRAÇÃO DO FUNDO
Administrador Corretora Geral De Valores E Cambio Ltda
Gestor Geral Investimentos Gestão De Recursos S/s Ltda.
Auditor Confidor Auditores Associados
Análise do Administrador
TAXAS DE ADMINISTRAÇÃO E PERFORMANCE
Taxa de Administração R$ 547,8 mil/ano
Taxa de Performance R$ 0,00
Percentual sobre o PL do FII 0,27% a.a.
Custo Anual por Cota R$ 4,29
Estes foram os valores efetivamente recebidos pelo Administrador nos 4 últimos trimestres
CLASSIFICAÇÃO ANBIMA
mandato Renda
segmento Lajes Corporativas
gestão Ativa

Análise do Administrador

A análise abaixo foi elaborada pelo Administrador do Fundo e publicada no último Informe Anual
RESULTADO DO FUNDO NO ÚLTIMO EXERCÍCIO

No exercício findo foi concluída a 2ª fase do Empreendimento SC 401 Torre Jurerê. As lojas e o estacionamento rotativo estão sendo locados.

CONJUNTURA ECONÔMICA DO SEGMENTO DE ATUAÇÃO

O ano de 2018 fechou no Brasil com a confiança em elevação e com fortes incertezas em relação ao desempenho da economia internacional.

Nessa evolução no ano, viu-se que no início de 2018, as expectativas eram bastante positivas em relação à economia mundial e brasileira.

Essas projeções acabaram não se confirmando ao longo do ano, em especial após a paralisação no setor de transportes e a consequente freada de uma economia já enfraquecida, e que tem crescido gradualmente.

O crescimento do PIB foi de 1,1% em 2018, de acordo com o IBGE.

No restante, viu-se que a economia brasileira terminou 2018 com: (i) a inflação abaixo da meta, o que é positivo; (ii) os indicadores do setor externo ainda positivos, algo bastante importante, dado um cenário de possível reversão do crescimento econômico mundial; (iii) os dados de emprego já melhoraram, mas aquém do que se desejaria para uma retomada mais consistente do crescimento da economia; (iv) a utilização da capacidade instalada abaixo da média histórica e dos melhores momentos de crescimento; (v) a taxa de juros no menor patamar da história, Selic igual a 6,5% ao ano; (vi) os indicadores fiscais preocupantes tanto do país quanto dos Estados; e (vii) a confiança em alta nos diversos setores.

Ademais, após a confirmação da vitória, o novo presidente começou a indicar os novos integrantes do governo e as propostas para a economia, sendo essas bem recebidas pelo mercado financeiro por serem de caráter mais liberal.

Isso gerou aumento da euforia internamente, sobretudo para os setor ligados a economia doméstica, relacionados com privatização, que teriam uma postura mais pró-mercado ou que teriam maior viés de baixa caso a atual oposição tivesse vencido as eleições, como é caso do setor financeiro.

Ou seja, o novo governo contava com o benefício da dúvida dos agentes econômicos, dado que conta com o apoio da maioria da população em diversos temas.

Em suma, viu-se que no geral as expectativas evoluíram positivamente, apesar do crescimento e do emprego abaixo do desejado em 2018. Na tabela a seguir é possível verificar que o mercado chegou a projetar crescimento de 2,89% do PIB em 2018 no mês de março, algo que após a greve dos caminhoneiros ficou ainda mais difícil.

Todavia, o ano terminou com as expectativas mais positivas em relação a nova administração da economia brasileira.

PERSPECTIVA PARA O PERÍODO SEGUINTE

A expectativa é de que com a retomada da economia, com crescimento estimado em 2,5%, com os juros baixos (Selic = 6,5% a.a.), na comparação histórica brasileira, e com o crédito e a confiança sendo retomados e a possibilidade aprovação das reformas, espera-se que haja continuidade do crescimento do setor em 2019. E nessa perspectiva já há na cidade de São Paulo, maior mercado imobiliário do Brasil, uma nova fase de expansão das incorporadoras aumentando a demanda por terrenos, sobretudo nos projetos destinado nas rendas média e alta.

Além dos fatores econômicos, ajustes em regras também tendem a ajudar o setor.

No fim de 2018, foi publicada a nova regulamentação dos distratos, pois caso o comprador desista da aquisição, será mais penalizado no ressarcimento do que no passado.

Conforme a lei sancionada pelo então presidente Michel Temer, as regras do distrato se tornaram mais claras e também mais duras, pois a desistência da compra de um imóvel por parte do consumidor quando ele está inadimplente ou porque desistiu por razões diversas, faz com que o ele tenha, sob forma de multa, 50% do montante pago retido.A nova regulamentação dos distratos, a melhora nos níveis de confiança, os patamares baixos de juros, impulsionarão os lançamentos em 2019. Acreditamos que nesse momento a demanda seguirá aquecida para imóveis como padrão mais elevado.Em conclusão, passado o período complicado da crise econômica brasileira e de retomada fraca de 2018, a expectativa é de continuidade da retomada em 2019, talvez não seja o ano mais forte observando um período de 5 anos a frente, mas que já tem perspectivas melhores do que o início dos últimos anos, especialmente de 2015 em diante.

Patrimônio do FII FISC11

ATIVO E PASSIVO
tipovalor
AtivoR$ 220,3 milhões
PassivoR$ 17,1 milhões
patrimônio LíquidoR$ 203,2 milhões
total mantido para liquidezR$ 94,5 mil
PATRIMÔNIO INVESTIDO
subtipovalor
imóveis para aluguelR$ 199,2 milhões
imóveis para vendaR$ 6,8 milhões
TerrenosR$ 1,7 milhões
outros fundosR$ 264,2 mil

Cotações e Mercado

$

Cotação Atual

Valor Data Variação 1 ano
R$ 1.000,00 21/Dez 0,00%
MENOR COT 12 MESES R$ 1.000,00 (21/Dez/2018)
MAIOR COT 12 MESES R$ 1.000,00 (21/Dez/2018)
0,63 P/VP 0 Negócios/dia R$ 0,0 Volume/dia
R$ 0,00 Amort. 1 ano 0,00% Rentab. 1 ano

Rendimentos

Último Rendimento

Valor DY Data Base Data Pgmto
R$ 0,00 0,00% 15/Mai 15/Mai
R$ 0,00 Rend. Acum. 12 meses 0,00% DY 12 meses
R$ 0,00 Rend. médio 12 meses 0,00% DY Médio

Últimos Comunicados de FISC11

Informe Trimestral
14/Mai/2019
Informe Mensal
13/Jun/2019
Informe Anual
29/Mar/2019
Fato Relevante
25/Out/2018
Comunicado Data Exibir
Relatorio Anual 29/Mar/2019
Regulamento 13/Fev/2019
Inicio de Negociacao 20/Dez/2018
Informe Trimestral 14/Mai/2019
Informe Mensal 13/Jun/2019
Informe Anual 29/Mar/2019
Fato Relevante 25/Out/2018
Distribuicao de Cotas 11/Dez/2018
Demonstracoes Financeiras 29/Mar/2019
Comunicado nao Fato Relevante 28/Dez/2018
Aviso aos Cotistas 31/Mai/2019
Anuncio Encerramento Distribuicao de Cotas 11/Dez/2018
AGO/E-Proposta do Administrador 29/Mar/2019
AGO/E - Edital de Convocacao 04/Abr/2019
AGO/E - Ata da Assembleia 30/Abr/2019
AGE - Resumo das Deliberacoes 20/Dez/2018
AGE - Proposta da Administradora 03/Dez/2018
AGE - Edital de Convocacao 05/Dez/2018
AGE - Ata da Assembleia 13/Fev/2019

Comentários sobre FISC11